Repórter em Sintra

Olá,

Chamo-me Jorge Cotovio e fui o feliz contemplado com o fim-de-semana em Sintra. Quando digo feliz, posso concretizar com a felicidade que a calma, harmonia, paz interior que se ganha ao entrar na Vila de Sintra.

O meu fim-de-semana começou no sábado que por motivos pessoais não pude aproveitar a noite de sexta-feira, mas recompensei no restante fim-de-semana na companhia do meu filho e que se tornou um num fim-de-semana muito gratificante e pelo qual Sintra tem excelentes condições para se levar toda a família de fim-de-semana.

Visitar Sintra foi como que entrar numa máquina do tempo, começando pelas vistas que ao longe podemos observar chegando pelo IC19, sentindo a imponência do palácio da pena no alto da Serra de Sintra.

Entrando em Sintra, optei por fazer um passeio a pé e descobrindo a vila sem recorrer a roteiros, foi óptimo encontrei por acaso uma pequena feira na Alameda dos Combatentes da Grande Guerra e que decorre no primeiro e terceiro fim-de-semana de cada mês, uma pequena feira de antiguidades e artesanato que primava pela beleza da vista, que dali me era proporcionada, mas deliciei-me pela simpatia dos feirantes ao qual me perdi em vários minutos de conversa sobe o tema a vila de Sintra.

O passeio continuou pela famosa Volta do Duche onde podemos encontrar jardins ao qual destaco a Fuente Morisca que tem um parque infantil essencial para quem tem filhos pequenos.

Depois de algumas horas, a descobrir a pé a zona histórica de Sintra, decidi ir ao encontro do famoso Hotel Lawrence. Se entrar em Sintra, foi como que entrar numa máquina do tempo, entrar no Hotel Lawrence é entrar na história da nossa literatura romântica, tendo mesmo servido de inspiração para o nosso bem conhecido Eça de Queirós no famoso romance Os Maias. O hotel oferece condições soberbas para quem procura o refúgio de um fim-de-semana longe das preocupações do dia-a-dia.

Após o check-in, e nos instalarmos no hotel aproveitei para ir a descoberta da famosa doçaria de Sintra e nada melhor que a pastelaria a Piriquita, situada no centro histórico da Vila, a agradável simpatia dos funcionários aliada á frescura e variedade de doces proporcionou um excelente fim de tarde. Antes de decidir onde jantar decidi dar uma visita ao palácio nacional de Sintra que fica mesmo situado no centro da Zona histórica, algo a que aconselho. Em relação á gastronomia e ao local onde jantar percorri a zona histórica e piscando os olhos pelos pratos dos vários restaurantes fiquei curioso em provar lombos de porco preto, ao qual não resisti á tentação. Por falar em tentação e sendo este um fim-de-semana diferente optei pelo restaurante Café Paris, ao qual aconselho vivamente experimentarem então os lombos de porco preto. Regressei ao hotel e preparei-me para descobrir um pouco da noite de Sintra o que com uma criança seria certamente um desafio, mas foi um desafio interessante visto ter tido a companhia de amigos conhecedores da noite de Sintra, optei então pelo Bar Mourisca o qual aconselho visto ter o ambiente ideal para quem procura uma noite diferente.

Domingo, bem domingo foi o dia de visitar os Museus do Brinquedos e o Museu de Historia Natural ficam situados bem no centro da zona histórica e para quem tem filhos é do melhor (não só dos filhos mas também dos pais relembrar os brinquedos que nos fizeram tão felizes é muito bom). Domingo serviu também para ir á descoberta da Quinta da Regaleira, bem é um local de uma beleza e misticismo gratificante de visitar, fica situada a por volta de cinco minutos a pé do Hotel Lawrence e como sempre o passeio vale a pena.

Como despedida visitei o Castelo dos Mouros que pela história e vista que nos oferece da Vila compensa o esforço que é para encontrar estacionamento.

A minha visita a Sintra ficou limitada a esses locais, mas Sintra não se descobre num fim-de-semana, Sintra descobre-se ao longo de vários reencontros, visto quem lá vai fica apaixonado e dificilmente não volta.

Considero-me um privilegiado em ter usufruído do prémio que me foi atribuído mas também da oportunidade de revisitar Sintra na melhor das companhias, muito obrigado GeoStar pela oportunidade.

Jorge Alexandre Cotovio e Jorge Manuel Cotovio

 

Reserve já o seu hotel em Sintra!

 

Escapadinhas a Sintra

Hotéis em Sintra

Repórter no Carvoeiro

Chegada ao Hotel Vale D’El Rei Suite & Village Resort, fui acolhida com a maior simpatia, por parte do staff do empreendimento. Fui apresentada aos vários espaços de lazer out-door e in-door, todos eles muito agradáveis, ordenados e decorados com muito bom gosto. O quarto que me estava reservado era excelente, limpo e cuidado e inluía uma varanda com uma vista soberba sobre as vinhas que rodeiam o empreendimento, alçando ainda o casario de Portimão.

A piscina é óptima, calma e a água mantém uma temperatura fantástica!

Os restantes hóspedes eram, na sua maioria, ingleses e alemães, o que me provocou um ligeiro e agradável sentimento de “estrangeira na própria terra”.

O Café Calabash – bar do hotel – tem uma ementa muito simpática, quer de bebidas, quer de pratos completos e snacks. Junto à piscina, encontra-se o Pool Terrace, que serve refeições ligeiras, bem como o buffet de pequeno almoço, podendo este último ser tomado mesmo à beira da piscina. O buffet é muito bom e variado.

O Hotel fica a alguma distância da praia, que obrigaria a deslocações de carro, não fora o shutle que leva e traz os hóspedes, em vários horários pré-definidos, para as praias da Marinha e do Carvoeiro. A praia da Marinha fica algo isolada, não tendo, nesta altura do ano, infraestruturas de apoio. As condições meteorológicas não eram as melhores, pelo que escolhi a praia do Carvoeiro, já que aí poderia disfrutar da vila, caso o tempo não ajudasse para a praia.

Acabei por conseguir um pouco de tudo, praia e vila. Fiz também um passeio num combóio turístico, que parte da Praça Velha. Este passeio turístico é, confesso, pouco interessante. Pouco mais nos é mostrado para além de aldeamentos turísticos e resorts. O ponto alto do passeio é, na minha opinião, o regresso à vila, onde passamos pela Ermida de Nossa Senhora da Encarnação e descemos toda a encosta esquerda da Vila do Carvoeiro.

Quase no topo da falésia do lado direito da praia existe um miradouro, com uma vista panorâmica sobre a vila e praia. Continuando a contornar esta falésia, encontramos ainda a Praia do Paraíso, agora encerrada por perigo de derrocada.

Em suma, é uma localidade a revisitar, senão mesmo a escolher como destino de férias, pela sua pacatez e beleza natural.

O Hotel Vale D’El Rei, sem dúvida, o resort a escolher.

Muito obrigada, Exit, por um excelente fim-de-semana e por me dar a conhecer um cantinho tão fantástico do nosso Algarve!

Teresa Sampaio

 


Escapadinhas ao Carvoeiro

Hotéis no Carvoeiro

Escapadinha a Viana do Castelo

A viagem até Viana do Castelo iniciou-se na sexta-feira, dia 2, um pouco depois de almoço. Pusemo-nos a caminho, sem grande trânsito mas com alguma chuva. Os quilómetros iam aumentando e o sol parecia que começava a fazer-nos companhia. Chegamos ao Hotel Flôr de Sal perto da hora de jantar. Instalámo-nos no nosso quarto, muito confortável e com uma vista lindíssima para o mar da Praia Norte.

Saímos para jantar mas não vimos muito da cidade nessa noite pois além de já ser tarde estava algum frio, optámos por nos deitar pouco depois para acordar cedo e aproveitar o que Viana nos tem para oferecer.

No dia seguinte, já com um sol radioso e depois de um magnífico pequeno-almoço no Hotel, fomos até à Basílica de Santa Luzia. Situado no cimo de uma montanha com o mesmo nome é possível observar toda a cidade. E em qualquer ponto da cidade, ao olhar para cima, é possível observar este templo emblemático. Descemos até à cidade e fomos viver Viana nas ruas. Da Sé, ao Hospital Velho, ao antigo Paços do Conselho com o seu Chafariz no meio.

Como estava a decorrer o XV Festival de Folclore internacional foi possível vermos ainda mais animação das ruas, com os “ensaios” de alguns grupos.

À noite voltou a chover e não conseguimos bilhete para o Festival, que passou para o Teatro Sá de Miranda.

Depressa chegou o último dia desta experiência, aproveitamos para ver um pouco mais da cidade, como o navio Gil Eannes, e provar um pouco da doçaria típica, como os manjericos de Viana, Sidónios e Santa Luzia.

Como é possível constatar numa publicidade em toda a cidade “Viana fica no coração”. É sem dúvida uma cidade para regressar.

Ana Codeço

 

Escapadinhas a Viana do Castelo

Hotéis em Viana do Castelo

Um Fim-de-Semana em Albufeira

No fim-de-semana de 4 a 6 de Novembro, Albufeira recebeu dois visitantes Lisboetas. A GeoStar tratou de tudo e garantiu que, independentemente das horas a que lá chegássemos, teríamos um hotel inteiro à nossa espera e à espera da nossa jovem e imparável energia.

A viagem começou com alguns percalços, infelizmente. Uns imprevistos impossibilitaram-me de deixar Lisboa na sexta-feira com a minha suposta acompanhante e, do nada, vi-me obrigado a convidar um amigo a juntar-se à aventura. Foi um mal que veio por bem, apesar de tudo. Meio surpreendido com o convite, a poucas horas de partirmos, um outro Tiago lá resolveu juntar-se e ir conquistar Albufeira em pleno Outuno!

Sábado, sete da manhã. Apanhámos o autocarro na Gare do Oriente e lá nos instalámos em duas das muitas cadeiras que partiam agora vazias. Éramos nós e mais três pessoas. Afinal, estávamos em Novembro, o frio começava a aparecer e era um sábado de manhã. Até que fazia sentido. Será que Albufeira estaria assim tão triste e abandonada também? Não era altura para pensamentos negativos. Tínhamos um fim-de-semana, num Hotel de 4 estrelas, completamente pago e organizado pela GeoStar, portanto era tempo para relaxar e aproveitar o momento. Auriculares nos ouvidos, iPhone em riste e preparado para tirar fotos. Vamos embora!

Perto das 10h00, e depois de algumas conversas a relembrar o princípio do ano de faculdade – como correram as recepções aos novos caloiros, como andam as coisas nas mais diversas cadeiras e quais as perspectivas para mais estes dois semestres de aulas – lá “atracámos” em Albufeira…com um sorriso no rosto. O tempo estava bem diferente a Sul. Tínhamos sol, poucas nuvens, algum calor e uma aragem minimamente agradável e acolhedora. Era um Outono simpático e caloroso. Olá, Albufeira!

Metemo-nos a caminho do hotel e, com alguma carga às costas, finalmente acabámos por descobrir o dito cujo. Aqui há que admitir que o iPhone deu uma valente ajuda. Check-in feito e subimos para o quarto. Relativamente grande, com duas camas enormes e extraordinariamente confortáveis, uma televisão com 25 canais, um mini-bar, um roupeiro onde dava para pôr toda a roupa que tenho por casa e uma varanda daquelas assim muito simpáticas e com uma vista fenomenal para o mar…mar esse que lá continuava ao fundo numa constante luta interior de ondas para aqui, ondas para acolá. Mas que saudades do Verão.

Como estudantes que somos, difícil não será de acreditar que metemo-nos à estrada para ir almoçar e que, depois disso, caímos redondos nas camas, no sono e dormimos até quase às 19h00: as noitadas da universidade a fazerem das suas. Descanso posto em dia e toca a tomar um belo banho na multifacetada casa de banho do nosso quarto. Toalhas à espera, shampoos e géis de banho preparados, foi só meter a água a correr e aproveitar o luxo do Hotel Aqua Pedra dos Bicos para tomar um nada rápido banho de imersão. Foi um daqueles luxos que só fazemos, por exemplo, num hotel! Também mereço, como diz o outro. Depois foi vestir e sair. Destino? Um valente buffet de comida chinesa que haveria de durar perto de 3 horas e 12 pratos. Isto sim, é que é viver.

Depois de um pequeno passeio só para ajudar à digestão lá voltámos ao hotel, sentámo-nos durante uma meia-hora à beira da piscina e, já perto da meia-noite voltámos ao nosso simpático quarto. Aproveitámos o facto de ter levado o meu portátil e vimos uma comédia até nos dar novamente o sono.

Passou a noite e chegou, infelizmente, o domingo. O dia de voltar a pôr a mala às costas: «Vamos aproveitar então!». Descemos até à piscina e lá, dentro do espaço de restauração, encontrámos um pequeno-almoço reforçado e fantástico cheio de coisas deliciosas e à nossa espera. O momento inesquecível do dia deu-se quando o outro Tiago virou costas ao prato por dois segundos e uma gaivota aproveitou para comer o que ele tinha tirado do buffet. Formidável. 9h30 da manhã e uma parelha de ingleses a rirem-se de nós. Bom dia, Albufeira!

Hora da espreguiçadeira. Como tinha uns calções de banho postos e a piscina estava apetecível, já para não falar do facto de estar um sol algo quente, acabei por meter na cabeça que tinha de ir ao banho! Pus o meu amigo a filmar e atirei-me para dentro daquela água cristalina e bem tratada. Já posso dizer que me meti numa piscina com uns 14 ºC e em pleno Outuno. Assim é que é.

Mas pronto, chegava agora ao fim a nossa aventura. Tratámos do check-out, despedimo-nos do staff, que foi sempre tão agradável e atencioso connosco, e lá nos metemos a caminho. Depois de uns dois quilómetros a andar, com a carga às costas, almoçámos – já um pouco tarde – e fizemos tempo até o autocarro chegar, com partida destinada a Lisboa. Ainda deu para ver o nosso Benfica disputar uma primeira parte fraca contra o Sporting de Braga.

Lisboa. Gare do Oriente. Acaba-se assim a história, num tom mais triste e menos aventuroso. Enfim, a vida é e sempre será isto. Coisas muito boas e outras menos boas. Já o Hotel Aqua Pedra dos Bicos faz parte do primeiro conjunto e para sempre nos ficará na memória como o espaço perfeito para um grande fim-de-semana, sempre com o patrocínio da GeoStar.

Tiago Martins

Escapadinhas a Albufeira

Hotéis em Albufeira