Diário de Viagem – Lisboa

Ao ter sido contemplado com um fim-de-semana em Lisboa, propus-me de imediato um desafio: como fazer turismo numa cidade para onde todos os dias me desloco para o emprego. Confesso que não é algo que já não me tivesse passado várias vezes pela mente, pois cruzo-me com imensos turistas na cidade e imaginava como deve ser agradável para eles desfrutar da nossa magnífica capital. Foi a partir deste desafio pessoal que planeei o fim-de-semana e vesti a pele do Repórter!

Relaciones sexuales infrecuentes, en el que comentaba la preocupación del sector por este estancamiento. Tadalafil de la Comprar Viagra femenino en farmacias compañía Eli Lilly por el mejor precio en nuestra farmacia online. Muchos amigos me lo han dicho, tengàis en cuenta que no necesitaràis comprar ningunas lubricaciones porque la sustancia aumenta la cantidad de la lubricaciòn natural de la vagina.

Na 6ª Feira, por volta das 22h00, chegámos ao Hotel Tryp Oriente, localizado no Parque das Nações, no qual ficámos muito bem instalados no 7º andar com uma vista espectacular para o rio e Parque das Nações, num quarto confortável e bem equipado.

Nessa noite, aproveitámos para fazer um pequeno passeio na zona, com direito a jantar no The Fifties, que como o próprio nome indicia, é um restaurante temático em torno dos anos 50 com música e cenário a rigor.

O dia seguinte amanheceu com previsão de chuva, o que aliás se confirmou em alguns períodos do dia. Após desfrutarmos do excelente pequeno-almoço no Hotel, iniciámos o nosso passeio pela capital. Optámos por utilizar os transportes públicos pois a rede de transportes na cidade é bastante abrangente e trata-se de uma opção menos poluente e bastante económica.

Partimos em direcção ao Castelo de São Jorge, situado na mais alta colina do centro histórico, no qual se consegue contemplar uma magnífica vista panorâmica sobre a cidade e o estuário do Rio Tejo. Ao percorrermos o interior do monumento, ao longo das suas muralhas e torres, é inevitável sentirmo-nos logo historicamente transportados no tempo.

De seguida, descemos a pé do cimo da colina até à Baixa, com o objectivo de visitar o Elevador de Santa Justa. Somos levados para o seu piso superior no interior de uma cabine de madeira, num processo mecânico de transporte, proporcionando ao visitante uma experiência fascinante que culmina na soberba vista observável no topo.

O forte vento e a chuva acompanhada de trovoada que se instalam sobre a cidade faz-nos equacionar se seria viável passarmos ao próximo ponto de visita, fazer um cruzeiro pelo Tejo. Porém, à medida que avançávamos em direcção ao Terreiro do Paço, as condições meteorológicas iam abrandando, o que permitiu prosseguirmos com o planeado. E valeu a pena, pois a experiência proporcionada pelo cruzeiro no Tejo foi bastante agradável. Durante duas horas, navegamos ao longo do rio, desde o Parque das Nações até Belém, num ambiente tranquilo a bordo com direito a bebidas, oferecendo-nos uma visão única da nossa capital vista do Rio Tejo. São paisagens magníficas captadas de uma perspectiva diferente, que confirmam a beleza da cidade.

Já de volta a terra firme, atravessámos a Praça do Comércio e entrámos em plena Baixa alfacinha, cuja envolvência e diversidade tanto prazer dá percorrer.

Continuámos a caminhar, rumo à Praça dos Restauradores, onde se encontra o Elevador da Glória, que liga esta Praça ao Jardim de São Pedro de Alcântara. Embarcámos de imediato no ascensor que estava prestes a subir e desfrutámos de uma viagem extraordinária, tão entusiasmante que tornámos a fazê-la no sentido oposto!

A seguir, atravessámos a elegante Avenida da Liberdade, uma das mais importantes avenidas da cidade e parámos junto à Praça do Marquês de Pombal, onde pudemos contemplar o imponente monumento a Marquês de Pombal e, na sua retaguarda, a extensa vertente relvada do Parque Eduardo VII que, no seu vértice, funde-se com uma grandiosa bandeira de Portugal hasteada elevando-nos o ego patriótico!

Após um dia onde muito se percorreu, a noite convidou a um ligeiro passeio pelo Parque das Nações, abrilhantado pelas diversas luzes que concedem um encanto especial a esta zona moderna da cidade.

No Domingo, depois de mais um delicioso pequeno-almoço e de efectuar o check-out no Hotel, rumámos para a zona de Belém. Iríamos iniciar o dia aproveitando o facto de, aos Domingos de manhã, a entrada ser grátis em alguns monumentos e museus.

Fizemos uma suave caminhada matinal junto ao rio, iniciando no Mosteiro dos Jerónimos indo até à Torre de Belém. Ao chegarmos à Torre de Belém, deparamo-nos com a magnitude deste monumento, ex-libris do património cultural português, dotado de uma admirável decoração exterior e de um interior extremamente interessante de visitar, como aliás pudemos constatar.

Infelizmente, por motivos alheios, a reportagem terminou mais cedo que o previsto. Fica a sugestão para visitarem, naquela zona, o Mosteiro dos Jerónimos, o Padrão dos Descobrimentos, o Centro Cultural de Belém, o Planetário, entre outros pontos de interesse, não terminando sem degustar os saborosos Pastéis de Belém.

Mas tanto mais ficou por visitar… A cidade de Lisboa oferece uma vasta diversidade cultural e de lazer, com inúmeros motivos de encantamento. Fica o desafio para elaborarem o vosso roteiro e explorarem ao máximo esta deslumbrante cidade!

Os meus sinceros agradecimentos  por me proporcionarem

este fantástico fim-de-semana!

Paulo Gouveia

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>