Volta ao Mundo com a Liza – Carta 51 da Liza à GeoStar

Byron Bay – Austrália

Depois de 9 meses a subir África por terra e 3 anos a mover-me de 3 em 3 dias, senti que era hora de parar um pouco e viajar mais devagarinho.
De todos os países que visitei, há um que me atrai particularmente, pela forma simples de pensar e levar a vida.
Já quando era mais pequenina, se me perguntavam que país queria muito conhecer, respondia Austrália. Era o país mais distante, maior e mais enigmático para mim.
Recordo-me perfeitamente da minha primeira impressão quando aterrei, pela primeira vez, neste continente.
O silêncio e paz do aeroporto, onde só ouvia o chilrear de diferentes pássaros, contrastava com a populosa e ruidosa Ásia, de motas e buzinas, de onde acabara de chegar.
Cheguei a pensar que provavelmente ia ser um país aborrecido, demasiado parado, além de caro demais para me deter por muito tempo.
Acontece que Austrália me foi surpreendendo todos os dias. Mostrou-me uma energia muito poderosa e positiva e ensinou-me formas de me manter por aqui a gastar muito pouco.
“No worries” e “Awesome” são as duas expressões mais australianas que conheço. Ambas representam a forma de viver deste povo para quem tudo tem solução e onde nunca estão menos do que “muitíssimo bem”.
Aqui todo o Mundo é tratado de igual forma, seja viajante, empregada doméstica, balconista ou professora.
Patrões e empregados trabalham lado a lado sem preconceitos e geralmente tornam-se bons amigos.
Austrália, em particular Byron Bay onde estou agora, faz-me sentir melhor pessoa todos os dias. Faz-me pôr amor, dedicação e entrega em tudo o que faço. Faz-me querer partilhar com os outros um pouco desta benção de Vida que escolhi para mim.
E esse é o espírito por estas paragens e é nele que me revejo.
Estou pois Feliz vagueando entre banhos de mar, braçadas na piscina, treinos de yoga, caminhadas à beira mar e cervejas com amigos ao pôr do sol!
Há tempo para tudo e vontade de aproveitar cada dia.
Inexplicável porque em certos pontos do Mundo se vive tão bem e noutros não. Inexplicável porque é que há lugares que me fazem sentir mais em casa do que na minha casa.
Mas eu não ando à procura de explicações. Ando a Viver o presente, a saborear cada dia, cada minuto com um enorme sentido de gratidão!!!
A vida é mesmo o que dela fizermos. Não é?

Liza

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>